Funaro entrega prévia de delação com 200 anexos; Geddel, Cunha, Franco e Padilha seriam citados

Funaro entrega prévia de delação com 200 anexos; Geddel, Cunha, Franco e Padilha seriam citados
Foto: Divulgação

O doleiro Lúcio Funaro, apontado pelos investigadores da operação Lava Jato como operador do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, está fechando seu acordo de colaboração premiada e já entregou uma prévia que contém mais de 200 anexos, segundo informações do site O Antagonista. De acordo com o blog, a expectativa é de que apenas essa antecipação contenha episódios envolvendo, além de Cunha, os ministros Moreira Franco, Elliseu Padilha e o ex-ministro Geddel Vieira Lima. Ainda de acordo com O Antagonista, os fatos narrados são acompanhados de provas com gravações em vídeos com encontros com políticos e empresários, trocas de e-mails e comprovantes de contas no exterior. A previsão é de que Funaro entregue agentes políticos e do mercado financeiro, além de instituições bancárias. Os trâmites em torno da delação de Funaro já duram vários meses. Em janeiro, a coluna de Lauro Jardim, do jornal O Globo, afirmou que Geddel teria entrado em desespero ao saber que o empresário faria colaboração. Ele teria entrado em contato "insistentemente" com a esposa do doleiro para prestar solidariedade e verificar se ele já tinha iniciado a delação (clique aqui). O apelido que o peemedebista recebeu na lista da Odebrecht, "Jacaré", também seria menção à Funaro, que comparou a "boca para receber" do baiano com a do réptil (lembre o caso). A relação entre os dois também foi apontada nos depoimentos do ex-sócio de Funaro, Alexandre Margotto. Ele relatou que Funaro dizia ganhar na Caixa mais dinheiro com Geddel, que foi vice-presidente de Pessoa Jurídica na instituição financeira, do que com Fábio Cleto, primeiro delator do esquema de desvios no banco público, que à época era vice-presidente Fundos de Governo e Loterias. O ex-ministro é investigado pela Polícia Federal e o MPF, sob a suspeita de comandar, juntamente com Cunha, um esquema de corrupção na Caixa, tendo sido alvo da Operação Cui Bono? ("a quem interessa?"), em janeiro (entenda).

Ao se identificar seu comentário terá mais relevância.
EmoticonEmoticon