Cabral superfaturava contratos de saúde no exterior em 40%

Cabral superfaturava contratos de saúde no exterior em 40%
Foto: Arquivo/ Agência Brasil

Cerca de 200 licitações superfaturadas na compra de equipamentos no exterior para a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, durante o governo de Sérgio Cabral, estão sendo investigadas pelo Ministério Público Federal (MPF). Os 200 contratos, que totalizaram US$ 277 milhões, teriam superfaturamento de 40%. O MPF teria aberto procedimento de cooperação internacional para rastrear os valores. “Já temos algumas informações de que o dinheiro saía dos cofres públicos diretamente para empresas controladas pelo empresário Miguel Iskin [do ramo de equipamentos hospitalares], como a Avalena, a Back Fell e a Life Cargo. São empresas que não fabricavam nenhum equipamento e funcionavam apenas como exportadoras de equipamentos fabricados por terceiros. Curiosamente, a Avalena tinha sede nas Ilhas Virgens e operava exportações a partir da Flórida, nos Estados Unidos, mesmo com mercadorias vindas da China ou de outros lugares do mundo”, disse Marisa Ferrari, procuradora da República. O procurador regional José Augusto Vagos sustentou que o ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes teria sido convidado por Cabral para assumir a secretaria com o objetivo de levar para o órgão o esquema de corrupção que ele praticava no Into, como diretor.

Ao se identificar seu comentário terá mais relevância.
EmoticonEmoticon