Delegado e inspetor são suspeitos de corrupção na delegacia de Senador Pompeu

 Delegado e inspetor são suspeitos de corrupção na delegacia de Senador Pompeu
Delegado Jéferson Custódio foi afastado das funções e conduzido à CGD

Os servidores da Segurança Pública e uma funcionária terceirizada estariam cobrando dinheiro da população e plantando provas contra suspeitos


Um delegado da Polícia Civil, além de um inspetor e uma funcionária terceirizada, foram detidos na manhã desta quarta-feira (5), na cidade de Senador Pompeu, no Sertão Central (a 273Km de Fortaleza) e conduzidos à sede da Controladoria Geral de Disciplina (CGD), em Fortaleza, para serem ouvidos em depoimento. Os três são investigados pelo Ministério Público Estadual (MPE) como suspeitos de crimes de extorsão ou corrupção, através da cobrança de dinheiro para realizarem serviços obrigatórios da própria Polícia Judiciária à sociedade.

O delegado-regional de Senador Pompeu, Jéferson Custódio, um inspetor e a funcionária terceirizada foram surpreendidos em suas residências, naquela cidade, numa operação batizada de “Data Vênia” e deflagrada pelo Ministério Público, através do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) e do Núcleo de Investigação Criminal (Nuic), em conjunto com a CGD e as promotorias da Comarca de Senador Pompeu.

A operação foi respaldada em mandados judiciais de busca e apreensão expedidos pelo juiz da Comarca, Wildemberg Ferreira de Sousa, que também determinou o afastamento da função do delegado e do inspetor e os proibiu de sequer entrarem no prédio da Delegacia de Senador Pompeu bem como nas unidades vinculadas a estas, delegacias sediadas nas cidades de Mombaça, Pedra Branca, Solonópole, Deputado Irapuan Pinheiro, Milhã e Piquet Carneiro.

O crime

Conforme relato do MPCE à Imprensa nesta manhã de quarta-feira, e em nota publicada no site da instituição, os três servidores são investigados diante de indícios de que estariam “cobrando valores em troca da prestação de serviços típicos da Polícia Civil”. Também teriam sido constatada pelos promotores “a utilização de métodos ilegais na investigação de crimes, tais como colocar drogas ilícitas junto a suspeitos como estratégia para a obtenção de confissão forçada”, diz a nota.


Buscas e apreensões

Nas casas dos três investigados, bem como na própria sede da Delegacia de Polícia de Senador Pompeu, os promotores e membros da CGD apreenderam computadores e vários documentos. Também foram confiscadas na delegacia várias armas de fogo.

“Agora, todo o material coletado será analisado pelos investigadores do Ministério Público, o que deve robustecer os elementos de provas e proporcionar a apresentação da denúncia criminal em face dos investigados junto à Justiça de Senador Pompeu, nos próximos dias”, afirmou o coordenador do Gaeco, promotor de Justiça Manoel Epaminondas.

Fonte: Fernando Ribeiro

Ao se identificar seu comentário terá mais relevância.
EmoticonEmoticon