Polícia Civil prende quadrilha armada com fuzil e outras armas. O bando planejava resgatar comparsas na Penitenciária de Pacatuba

Polícia Civil prende quadrilha armada com fuzil e outras armas. O bando planejava resgatar comparsas na Penitenciária de Pacatuba

Criminosos presos na Penitenciária Estadual seriam resgatados, provavelmente, no fim de semana

Uma quadrilha formada por sete pessoas foi capturada na madrugada desta quinta-feira (25) – Dia do Soldado - pela Polícia Civil. O grupo estava fortemente armado e, segundo as autoridades, planejava resgatar dois presos da Penitenciária de Pacatuba, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Entre o armamento do bando havia um fuzil, além de muita munição.

A quadrilha foi localizada pela Polícia numa residência no Município de Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) depois de uma investigação sigilosa.
Policiais civis lotados no 30º DP (Palmeiras), sob o comando do delegado Márcio Gutierrez, descobriram o local onde a quadrilha estava escondida.

O plano para a fuga dos comparsas estava em pleno andamento, e deveria ser posto em prática nos próximos dias, ou horas. Os homens que seriam resgatados não tiveram, a princípio, suas identidades reveladas, já que a investigação ainda pode ser aprofundada.

Armas

Na residência “estourada” pelos inspetores do 30º DP, em Maracanaú, foi presa Jéssica Maria Matias de Castro, 23 anos. Ela é mulher de um dos bandidos presos que seriam resgatados da penitenciária estadual.

Logo depois, a Polícia foi até Pacatuba e descobriu que o bando havia alugado uma casa situada a apenas cerca de 800 metros da penitenciária, de onde a quadrilha daria início ao resgate. No local, mais três pessoas foram detidas, sendo identificadas como Iranildo Gurgel Coelho, 44 anos; Ismário Vanderson da Silva, 27 anos; e Lídia da Silva.

O trabalho da Polícia, no entanto, não parou aí. As diligências se estenderam à Fortaleza, onde mais implicados na trama criminosa estavam escondidos.

Os acusados detidos na Capital foram identificados como Ivon Rayner Moreira, 20 anos; Antônio dos Santos Silva, 49; e Elaine Maria Frazão, 21.

Além de armas e munições, a Polícia descobriu que a quadrilha também atuava em roubos e adulteração de veículo. Os carros roubados eram então vendidos para financiar a compra de armas e a logística da quadrilha.

Fonte:Fernando Ribeiro

Ao se identificar seu comentário terá mais relevância.
EmoticonEmoticon