Delegado-Geral da Polícia Civil diz que crime organizado está atacando no Ceará por se sentir "incomodado"

Delegado-Geral da Polícia Civil diz que crime organizado está atacando no Ceará por se sentir "incomodado"

Andrade Júnior ressaltou o intenso trabalho das polícias no combate às ações criminosas no Ceará

Os ataques a prédios públicos e, especificamente, às delegacias, só acontecem porque o Sistema da Segurança Pública cearense está atuando, trabalhando de maneira muito forte”.

A declaração é do delegado-geral da Polícia Civil do Estado do Ceará, Raimundo Andrade Júnior e aconteceu em entrevista foi concedida, nesta quinta-feira (28), ao jornalista Marcos Lima, da TV Diário. Segundo o chefe da Polícia Judiciária cearense, o que está acontecendo no Ceará é um reflexo da ação dos criminosos em todo o País, isto é, não ocorre apenas aqui.

Ainda na entrevista, Andrade explicou que as ações de combate ao crime realizadas pelas policias Civil e Militar e demais organismos da Segurança Pública, como os setores de Inteligência, têm inquietado e causado prejuízos à bandidagem.

“O crime organizado só reage contra o ente público quando se sente incomodado”, repetiu.


A afirmação de Andrade, no entanto, contradiz o que pensa seu chefe, o secretário da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, delegado federal Delci Teixeira.




Enquanto Andrade admite que o crime organizado tem agido, numa reação ao bom trabalho policial, Teixeira se alinha ao discurso do governador Camilo Santana (PT) em amenizar os ataques das facções criminosas PCC (Primeiro Comando da Capital) e CV (Comando Vermelho), dizendo que, “qualquer pirangueiro que joga uma pedra na porta de uma delegacia já se sente um Al Capone”.

Trocar portas
Pelo sim, pelo não, a cúpula da Segurança Pública do Ceará tomou uma medida defensiva. Delci e Andrade resolveram mandar trocar as portas de todas as delegacias distritais de Fortaleza e da Região Metropolitana. As portas de vidro estão sendo trocadas por estruturas de ferro, para segurar os tiros de fuzil, pistola e metralhadoras disparados pelas facções.

Neste ano, cinco delegacias da Polícia Civil já foram atacadas e tiveram suas fachadas metralhadas, ficando totalmente destruídas. São elas: 3º DP (Otávio Bonfim), 8º DP (José Walter), 19º DP (Conjunto Esperança), 27 º DP (João XXIII) e 23º DP (Conjunto Nova Metrópole/Caucaia). Já na Delegacia Municipal de Itapajé (a 124Km de Fortaleza), foi arremessada uma bomba caseira que destruiu por fogo motocicletas apreendidas.

Desde o começo do ano, 31 ataques de criminosos foram registrados no Ceará, incluindo ônibus incendiados, torres de transmissão de sinal de celular também queimadas, além de ataques a duas bases da PM (Fortaleza e Sobral), metralhado um prédio da Secretaria da Justiça e da Cidadania (Sejus) e um carro-bomba deixado na porta da Assembleia Legislativa do Ceará.

Fonte:Fernando Ribeiro

Ao se identificar seu comentário terá mais relevância.
EmoticonEmoticon